NÉ LADEIRAS (Maria da Nazaré Azevedo Sobral Ladeiras) nasceu no Porto, no dia 10 de Agosto de 1959, no seio de uma famíia com grandes afinidades com a música: a mãe cantava ópera, o pai tocava viola d’arco e o avô materno tocava guitarra portuguesa, braguesa, cavaquinho e instrumentos de percussão. Com 6 anos, participa no Festival dos Pequenos Cantores da Figueira da Foz. Durante a sua adolescência, integra vários projectos musicais, entre os quais um duo acústico formado com uma amiga. Entre 1980 e 1982, integra um dos projectos mais inovadores da música portuguesa, a Banda do Casaco, fundada em 1973 por Nuno Rodrigues e António Pinho (ex-Filarmónica Fraude). Né Ladeiras participa na gravação dos álbuns “No Jardim da Celeste” (em 1981) e “Também Eu” (em 1982) que incluíam alguns dos maiores sucessos do grupo, como sejam “Natação Obrigatória” e “Salvé Maravilha”. O primeiro trabalho a solo de Né Ladeiras, “Alhur”, é editado em 1982 pela Valentim de Carvalho. O disco, um EP (ou máxi-single) composto por quatro temas da autoria de Miguel Esteves Cardoso (letras) e Né Ladeiras (músicas), regista a participação de Ricardo Camacho (mais tarde dos Sétima Legião) na produção e dos Heróis do Mar como músicos de estúdio. “Alhur” é um disco que fala de águas, desde as águas régias do pensamento às águas salgadas dos oceanos e das lágrimas. Participa no Festival RTP da Canção de 1986 com “Dessas Juras que se Fazem”, um inédito de Carlos Tê e Rui Veloso. WINGA KAN, é um espectáculo de percussão TRIBAL, criado por Nuno Patrício percussionista dos Blasted Mechanism. Através do conceito “ONE MAN SHOW” é desenvolvida uma história musical orientada na execução de diversos instrumentos em simultâneo. O ambiente do espectáculo é calmo e inspirador.

São Pedro do Sul, Viseu, Beira Alta

Ir para Viseu