Anagrama 

Agosto 19, 2011

Numa antiga gráfica na Rua dos Prazeres, Lisboa

Lisboa, Lisboa, Estremadura

Ir para Lisboa

A sessão para a Música Portuguesa A Gostar Dela Própria foi gravada numa manhã de Agosto de 2011 com os dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) a tocarem em cima de uma velha máquina plastificadora numa antiga gráfica no coração da cidade de Lisboa (no mesmo espaço onde meses depois viria a ser filmado o teledisco “oficial” do tema “Corta-Unhas”). Para compôr o cenário foram utilizados alguns objectos encontrados no local como a bicicleta de criança ou os óculos de soldador (que também aparecem no teledisco) e o cinzeiro de pé utilizados pelo baterista. Para esta sessão foram convocados os terapeutas do ruído Boris, Desmarques, Gee Bees e X. Os temas escolhidos, “Anagrama” (aka “Amargana”) e “Corta-Unhas”, que aqui figuram em versão acústica, viriam a ser editados mais tarde no álbum “4” (que tinha sido gravado uns dias antes e que foi depois lançado em vinil em Fevereiro de 2012). Houve ainda um terceiro tema improvisado no momento que a banda optou por não publicar.
A escolha dos temas foi feita com base na adaptação ao formato acústico e apesar de normalmente não gostarem de dar muitas explicações sobre os títulos, os dSCi podem revelar que “Anagrama” é um «tema sobre a repetição e as variadas formas de rearranjar essa mesma repetição» e “Corta-Unhas” é «um tema que se quer rápido, estúpido, troglodita e ruidoso», cujo título é «uma gíria para corta-correntes em jeito de homenagem ao movimento okupa».

Nas palavras dos próprios músicos, «Boris utilizou um baixo acústico emprestado e Gee Bees a mini-bateria do filho do Boris (bombo, tarola, tímbalo e prato) e o tal cinzeiro de pé como segundo prato. Desmarques usou a sua guitarra portuguesa que apesar de ser de Coimbra estava nesta ocasião com encordoamento e afinação de Lisboa e que foi construída no A.I.M.C. (Atelier de Instrumentos Musicais de Corda) em Carnaxide em 2007 sob coordenação do mestre Gilberto Grácio, a quem Desmarques teve “o prazer e a honra” de a adquirir na sua oficina no Cacém. Foi também empregue um isqueiro Bic neste tema como “slide-guitar”. Também neste “Amagrama”, X tocou num Mini Tepmeh vermelho montado e comprado pelo próprio em Zhuhai (China) em 2010 e que vinha na 17ª edição de uma revista japonesa chamada Gakken. O metalofone usado é da mesma data e estava no expositor de uma loja em Macau ao lado do cemitério onde X passava todos os dias a caminho de casa e que, precisamente por ter andado a «namorá-lo» por quase um ano, fez questão de comprar. O metalofone é de “marca branca" e as baquetas são de metal de um lado e de borracha endurecida do outro. A campanela almofadada para braços/pernas foi comprada no Sziget Festival em Budapeste por volta de 2004/2005 e foi feita por um artesão húngaro. O mini-gongo budista foi-lhe oferecido por uma amiga italiana, a Marilaura, depois de uma viagem à Malásia em 2011 e funciona como afinador mental para qualquer espaço/pessoa.